13 de Julho de 2014

Quando a moça da beira da estrada viu o cliente baixar-se para desatacar

 as botifarras no meio da mata, assustou-se com a sua corpulência

 e fugiu. Apanhado agachado naquela posição este pensou para si:

 - Olha, já agora obro!

Já me tinham dito que, se ia subir a serra, era melhor arranjar um aparelho daqueles que possuísse Grande Precisão a Subir e que medisse pelo menos a velocidade, a pulsação, a temperatura e o local por onde andava. O que daria jeito lá em casa pois poria fim a um monte de fezes Podiam-me vigiar sem ter que andar atrás de mim. O que são as coisas. Em miúdo a minha mãe para saber onde eu andava punha-me um guizo pendurado no chapéu de palha e sabia sempre onde eu andava. Quando não ouvia a bolinha a bater durante algum tempo costumava gritar-me os dois primeiros nomes que eu deixava imediatamente a maldade que estava a fazer e procurava outra.

Quanto à temperatura, encostava-me a costa da mão à testa e sabia se eu tinha febre ou não. Mas era mais as vezes que se servia do outro lado da mão, após saber dessas maldades. Quando desconfiava que podia ser febre lá me enfiava o termómetro no canto da boca e delicadamente com voz seca, soltava:

- Não te mexas.

Nunca gostei desta prática de medir a febre. Desconfio que aquele mini termómetro era o mesmo que apareceu lá por casa quando nasceu o meu irmão mais novo. E digo desconfio, porque pareceu-me vê-lo algumas vezes deitado no berço com ele enfiado no rabo.

Quanto á velocidade, abaixo dos dois dígitos e a subir, dever-se-ia chamar, sei lá, imobilidade? É que a bezerra da ti xika, quando ia ao bebedouro, andava mais depressa que eu a subir uma serra. Ouvia muitas vezes na escola que são 5 km empinados e demorava uma hora. Só não aprendi a resposta, porque a professora feita parva, queria saber a velocidade e nunca dizia se era a do animal ou da gente, se a descer ou a subir, ou se era ida e volta. Já veem, o bicho tem quatro patas, enquanto nós...

Não sei como é que este aparelho moderno consegue fazer cálculos tão complicados, mesmo quando a rede desaparece - entre a zona do túnel e a santinha -, para nos dizer no momento a que velocidade vamos. Um espanto. Se tiverem um, se calhar é melhor não trazerem a bezerra para não atrapalharem o bicho, perdão o aparelho, que ainda é novo e a estrear. A professora, essa ao menos não queria as contas feitas de imediato, dava-nos pelo menos um dia, quando não calhava a um fim de semana. Acho que da próxima vez tenho que contratar um dos BR Engenheiros para me filmar e o filme dizer a velocidade a que vou. Se for tão baixa, tragam-me uma esqueloteira de café para beber, que era o que a minha avó fazia quando não sentia o pulso. Se ajuda a subir o pulso, também deve ajudar a subir o rabo - que também pertence ao corpo.

Abaixo no gráfico podem ver-se os pontos importantes (os chamados picos de forma) que são os fontanários de onde jorrava água fresquinha e todos eles de paragem obrigatória. A vermelho e roxo ou cerise, desculpem afinal é fúncsia, são as cerejeiras que não localizo propositadamente senão quando lá voltar chapéu, só deve estar a àrvem. A invisível são as figueiras…

Saibam que entre as muitas aplicações, lá me decidi por um se trava. Comprei este aparelho porque durante anos usei sempre um que tinha um fio desde o meio do garfo até ao aparelho no volante, o que era uma chatice quando se queria limpar a bicicleta, e decidi-me porque me disseram que com este não era preciso o fio, que ele estava ligado ao satélite e como tal não precisava do fio. Desconfiei mas mesmo assim afiambrei-me logo com ele e fiquei a ver a instalarem-no até funcionar.

Isto é magia pura ou um grande truque. Como é que isto está ligado ao satélite e não se vê o fio em lado nenhum. Calei-me bem caladinho mas pensei cá para mim se está ligado ao satélite quando for a subir é capaz de ajudar um bocado.

Mas a marca é que me atraiu, porque tenho medo das descidas e com o passar dos anos tenho esse receio de nem sempre me conseguir lembrar onde estão os travões. Então este se trava, eu paro, aproveito e bebo mais uma pinga de água em cada fonte. Além disso, um pouco de descanso ao aparelho não lhe ficará nada mal para processar melhor os dados. Não acreditam? Experimentem fazer contas de cabeça à velocidade quer iriam se viessem a descer,, enquanto sobem uma serra.

publicado por Ubicikrista às 16:59

mais sobre nós
encontrar qualquer artigo por palavra ex: pudalari
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26

27
28
30
31


Arquivos
2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


favorito
Contador (não o alberto) de visitas
blogs SAPO