01 de Outubro de 2009

«O viajante que se preza vive às claras, aproveita as gemas e não desdenha as cascas»

 

Atingida a perfeição, horas antes, a sensação era sublime, uma espécie de entorpecimento, mas o descanso dos guerreiros teria que ser guardado para outra altura, pois havia uma viagem de quase 400 para fazer... ao luar.

 Antes de mais nada, descubramos a própria palavra «viagem». No hebraico antigo, o termo «viajante» era sinónimo de comerciante. Sim, houve um tempo em que todas as viagens eram à negócios. Dai que, durante séculos, viajar não fosse mole. «Travel» (viajar, em inglês) deriva de «travail» (trabalho, em francês), que por sua vez remonta ao latim tripalium, um instrumento de tortura! Ou seja, dantes, viajar era um suplício, mais ou menos como ir ao Algarve em Agosto, de preferência na Quarteira. Agora ao findar o milénio a história repetiu-se.

À chegada foi só tempo de armar barraca e assistir, nas tendas, ao trovejar sem relâmpagos, isto é, tocou-se castanholas sem flamengo. O flamengo, como se sabe, é aquela dança semelhante à gesticulação dos guardas de trânsito nos cruzamentos em hora de ponta.

Manhã cedo, diagnóstico às tropas antes da decisão: recolher aos balneários ou cumprir castigo. Os destroços eram mais que muitos e não só nos fundilhos. Vontade para tocar o burro: zero; ilusão de ainda estarmos a viver num sonho: toda.

publicado por Ubicikrista às 15:10

«Muito bonito, mas tem umas passagens cansativas.»

Critica a um poema em dois versos.

 

Com letra minha e musica d’Eu, vou contar em poesia... também da minha autoria.

        O Carrapato                                                          "Digame jóven,

        estava farto!                                                          que haces aqui?"

        Não tomou a saída,                                                "Vinham a 50 à hora,

        por não achar a dormida                                        chocaram, e eu caí!"

        O João, deu um trambolhão                                    "Nombre, edad ?"

        perto de d’Urgell!                                                   Tem 50! Como? Não devia!

        E arranjou um pincel.                                              Pensou a doutora,

        Quando o fomos buscar,                                          Isso tem a sua tia!

        já estava pronto,                                                    “Pero 50? De idad?

        para abalar                                                            Mi desculpe, non lo parece tener!

        Ao Aleixo                                                               Non será la velocidad?”

        tudo lhe dói,                                                           Andei, e não parei,

        menos o queixo!                                                     Isto é, portei(l)-me mal,

        Ao chegar à Vieja Andorra,                                      subi e não comi!

        disse porra!                                                            Quando a fome apertou

        E ficou com um melão.                                            "Ó espanhol dá aí"!

        Só dali abalou,                                                        Quando nos deram os dorsais

        quando o acabou.                                                    já outros davam aos pedais,

        O Pedro e o Portel,                                                  mas um até chegou à meta,

        não passaram cartel.                                               e não tinha bicicleta.

        Eu armei-me em tia,                                                A coisa nem é secreta,

        e apanhei uma comedia.                                          e não gosta que se mangue,

        As senhoras, todas                                                  mas quando chegou à meta,

        queriam compras!                                                   tinha "el culo" em sangue.

        Na próxima,                                                           «Meu amor, meu querido,

        com pesetas,                                                          tens que arranjar pesetas,

        já estarão prontas.                                                  como me deixas-te tesa,

                                     (mais ...)                                   ficas-te pelas p....etas». 

 

publicado por Ubicikrista às 15:08

«Ó Abreu dá cá o meu ...»

 

O cacau matinal caiu que nem rolha em cu de padre, mas aquela família das inscrições recordou-me o que se dizia de um tipo que era um nabo nos negócios: «Se esse sujeito abrisse uma casa funerária, ninguém mais morria.»

Vontade de cumprir o plano, mas simultaneamente indecisão e ilusão, dúvidas a fazer lembrar o que se diz dos irlandeses, que podem não saber o que querem, mas estão dispostos a lutar até à morte para obtê-lo. Talvez tanta perícia tenha brotado da adversidade: «Se chovesse sopa, tínhamos saído de casa com garfos.»

A decisão era ir! Depois foi correr atrás do prejuízo a 50 quilómetros há hora. Inolvidável.

Mais espectacular só a tecnologia futurista, onde através da leitura óptica de uma placa colocada no quadro da bicicleta, ligava um PC a uma impressora que fazia sair imediatamente o diploma individual, com o tempo e ordem de chegada.

publicado por Ubicikrista às 15:07

mais sobre nós
encontrar qualquer artigo por palavra ex: pudalari
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Dezembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


Arquivos
2018:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2017:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2016:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2015:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


favorito
blogs SAPO